Compaixão salva vidas

Há alguns dias voltando para casa vimos de longe uma mulher andando apressada e aparentemente desnorteada.  Ao nos aproximarmos percebemos que ela chorava e apertava as mãos. Não deu tempo de pensar duas vezes, desci do carro e corri ao encontro dela. A passageira de um outro carro fez o mesmo.

Nos aproximamos da mulher oferecendo auxílio. Ela nos empurrou, disse que não aceitaria ajuda porque não nos conhecia. Insistimos e então ela começou a gritar. Instintivamente a abraçamos. Repetíamos sem parar que estávamos ali para ajudá-la, que ela não estava sozinha. A mulher desmaiou em nossos braços. Leia mais