Três minutos

O tempo,  já sabemos, é relativo. Por causa de três minutos eu fui descartada. Três minutos. Eu não estava em frente ao notebook para responder imediatamente a uma mensagem, havia ido ao portão atender alguém que chamava. Quando voltei à mesa, vi a mensagem e respondi. Silêncio. Momentos depois insisti e nada. Leia mais

Prestígio?

Um dia na redação do Diário da Amazônia, uma colega atendeu ao telefone. Era uma colunista do interior do estado convidando-a para escrever uns artigos para uma revista. -“Ah, que beleza”, respondeu a minha colega. -“E quanto é o cachê?”, perguntou. -“Você terá o prestígio de ter seu nome na minha revista”, respondeu a colunista. Leia mais

Terra de ninguém

Nas duas últimas semanas tenho dedicado algumas horas do dia para procurar trabalho. Busco por vagas em São José, Florianópolis ou Palhoça. Entrei em grupos de emprego no Facebook, muito mais por curiosidade do que alguma certeza de que ali haveria algo para mim. Nesses grupos há uma variedade de cases de pessoas despreparadas, ingênuas e mau-caráter, para citar alguns perfis. Tem gente que realmente acredita que digitar ‘ok’ em uma publicação serve como um contato profissional. Outras creem que uma empresa grande está contratando pelo Facebook, basta informar o número do telefone. No grupo de mau-caráter estão aquelas criaturas que postam vagas falsas pelo simples prazer de enganar, que se valem do desespero de quem está desempregado para pegar mão de obra de graça, porque ao fim do “contrato” dá calote. É lamentável. Leia mais

Um quarto apertado

Quando menina, dividia um quarto com minhas três irmãs. Anos depois, adolescentes, mudamos de casa. Era uma casa grande, com quatro quartos – mas estava na fase de acabamento, que deve ter durado uns 10 anos, talvez  menos. Já não éramos quatro. Tinha nascido o primeiro (e único) menino e a última irmã estava a caminho. Por uns três meses ficamos nós, seis filhos, com nossos pais em um quarto. Desnecessário enumerar os problemas e dificuldades que enfrentamos com tanto aperto e desconforto. Leia mais

É preciso carregar?

Casamento, namoro, trabalho, amizade – seja o que for – tem gente reclamando. Alguns acreditam serem a cruz que devem carregar, que devem levá-la até o Gólgota, ou sabe-se lá para onde, e insistem. Continuam nas lamentações sem nada fazer para mudar a situação. Têm as mesmas atitudes esperando resultado diferente. Mas acho que sabem que não terão. Apenas não querem enxergar. Talvez seja um apego ou medo do depois. Ou os dois. Leia mais