Porque eu amo junho

O céu azul com poucas nuvens e a lua aparente, o ar mais leve. À noite, as estrelas brincam para ver quem é a mais brilhante. Daqui, sinto o coração acariciado por sentimento de alegria e gratidão. Junho é assim para mim desde sempre.

No início havia mais: brincar perto da fogueira, fazer promessas de amizades, dançar quadrilha, comer paçoca e bolo de milho, ah, claro! e muita pipoca. Depois as visitas aos arraiais, o passeio pela cidade para ver as fogueiras de São João. Mais recentemente, organizávamos uma festa em casa, em Porto Velho, onde tínhamos delícias da culinária junina e o melhor que há na vida: amigos. O Arraiá Duzamigo era, principalmente, a minha expressão sobre junho.

Neste ano, o sentimento íntimo não é diferente, o que muda é o ambiente em comum. Não há os festejos como eu conheço, a tradição de arraiais e quadrilhas não faz parte da cultura de São José e Florianópolis. Após muita pesquisa, nada consegui saber sobre eventos juninos. Mas, por acaso, ouvi um carro de som anunciando um arraial. E lá fomos nós. Desnecessário dizer o quanto estava ansiosa para conhecer o hábito festivo do Sul.

Um dos muitos arraiais

A primeira diferença é o horário: aqui as festas começam à tarde para acabar à noitinha. Pelo menos nesse arraial de uma creche comunitária não havia mingau de milho, curau ou arroz doce. O bolo de milho devia ser fantasia. E mesmo assim eu adorei! Tinha pinhão e amendoim na casca, cachorro-quente e paçoca. Que maravilha! Toda a festa tinha como objetivo um bingo de mil reais. Toda comunidade ansiosa para levar a dinheirama para casa. Enquanto não começava a disputa pelas notas, fizeram rifas de bolos, doces e bebidas.

No próximo junho, a festa será em nossa casa. Um arraial com sabores do Sul temperados com recordações do Norte. Anarriê!

Bonitinho e ordinário

Doces árabes, disseram

Uma vitrine de doces é um mundo de possibilidades. Eu bato os olhos num bolinho redondo e penso: Hum… Deve ter gosto de laranja. Aponto para enroladinho e pergunto para ter certeza: é de goiabada e queijo? E a pessoa atrás do balcão geralmente responde: É Romeu e Julieta. E eu sempre sorrio a essa resposta. Ah, mas nem bolinho de laranja, nem docinho mineiro. Eu quis a sobremesa árabe, um ninho de damasco. (Me perdoem se a nacionalidade do quitute está errada, foi o que me informaram).

Que lindo! Perfeito para uma foto. Que textura! Fico até meio ansiosa para provar, mas deixo para depois.  Com certeza o doce não é mais saboroso do que uma conversa leve numa tarde descompromissada.  Pode esperar.

Após goles de café, histórias e exclamações, chegou o momento aguardado. Com as mãos gulosas, levo o doce das arábias à boca. Mordisco com cuidado. Engulo. A força. Quero gritar pelo Procon. Quero convocar a Comissão de Direitos Humanos. Uma bancada de psicólogos, por favor.

Lido com frustrações há uns bons anos e há algum tempo aprendi a não ser limitada por elas. Um relacionamento que não era bem aquilo. O trabalho que não rendeu tanto quanto esperava. A receita que falhou no dia da festa. Ok, é tudo superável.

Mas um doce fingir ser maravilhoso; seduzir e prometer o céu em pequenos beliscões; iludir com a promessa de prazer inesquecível? Isso é inaceitável.

Inadmissível para mim com tantos carimbos na página da vida ter sido enganada por um docinho de padaria. Onde vou parar desse jeito?

Doce de importância

Na mala eu trouxe farinha de tapioca, única lembrança física que poderia resistir aos dias de mudança de cidade, aqueles mais de 3.400 quilômetros.  Numa tarde na casa nova, enchi uma xícara de café, coloquei um pouquinho de leite e um tanto de tapioca e saboreei como se esses grãos tão simples fossem o que há de melhor para se comer.

Num domingo comprei banana da terra e separei duas para fazer o inigualável mingau de banana com tapioca, mas acabei fritando todas as bananas. Com isso parece que ficou claro que o mingau não é tão inigualável como eu supunha.

Mas ontem a tapioca ganhou o destaque que merece. Usei boa parte dela para fazer uma sobremesa para amigos que vieram nos visitar. Eles moraram durante seis anos em Porto Velho, gostam do que o Norte oferece e a tapioca aflorou as boas lembranças à mesa, como o tambaqui assado.

 

Bolo gelado de tapioca temperado com significados

 

As coisas simples do dia a dia tornam a vida especial. Uma simples farinha é capaz de fazer você refletir sobre o que realmente importa.  Valorizar o que  somos hoje é dar importância a nós mesmos. Somente nós sabemos de nossas conquistas , as batalhas que vencemos contra nós mesmos, as guerras que ainda temos que enfrentar para nos tornarmos pessoas melhores. Para tudo isso a simplicidade está a nosso favor. Enquanto refletia sobre os passos que devo dar,  preparei o bolo de tapioca, acho que o melhor de todos os tempos.

É melhor deixar ir

Não é fácil deixar ir. Eu sou insistente com quase tudo e até um tempo atrás insistia para que as pessoas ficassem. Fosse um colega de redação, que eu desejava manter contato, ou um amigo que mudou de cidade ou trocou de grupo de amigos. A vida é cheia de ciclos e raramente os atores dos ciclos passados estarão neste.

Como disse, sou insistente. Ano passado eu insisti com três pessoas que eram minhas amigas para mantermos contato, quem sabe um encontro bimestral. Recebi como resposta o genérico “vamos marcar” e imediatamente (sou insistente!) pedi para que marcássemos naquele momento o dia do encontro. A mensagem seguinte me deu a certeza que elas queriam ir. “Vou ver e te aviso”.

Soltei cada uma dessas pessoas. Elas tiveram papel importante em fases da minha vida e eu nas vidas delas. Mas agora viviam outro momento e eu não cabia mais ali.

É preciso deixar ir. Se a pessoa que você aguarda um contato não dá sinal, sinalize você o interesse. Caso não haja feedback, siga em frente. O silêncio é a resposta que grita: não quero falar com você. Ninguém é obrigado a querer estar conosco. Ainda bem.

Seja como for, sejamos gratos com todos que passaram e passam por nossas vidas. É menos um pontinho de orgulho em nossas almas.

Infância compartilhada

Se tem alguma criança que não sonhe em ter uma bicicleta, eu desconheço. Quando pequena era tudo o que eu queria, mesmo morrendo de medo de cair. Eu fui uma criança muito medrosa. Tinha medo de absolutamente tudo. Mas sonhava em ter uma bicicleta para andar na rua, no nosso pedaço da rua José Bonifácio.

Quando minha amiga (e vizinha) ganhou uma Monark eu fiquei tão feliz! Primeiro porque ela queria muito, segundo porque ela deixaria eu andar o quanto quisesse e terceiro porque em pouco tempo não serviria mais para ela e seria minha.

E assim foi, a minha amiga tinhas pernas muito compridas e no ano seguinte a bicicleta não servia mais e a ganhei como presente de aniversário. Somos de fevereiro, ela do comecinho e eu do dia 12. Isso me fez lembrar do bolo de frutas que a mãe dela encomendou para o aniversário e que ganhei a metade. Lembro até hoje do sabor, nunca mais comi nada parecido. O ingrediente inesquecível é a amizade infantil.

Há muitos anos não há vejo, mantemos contato graças à internet. A marca daquela amizade ficou como um passeio de bicicleta num dia de chuva.

Rua sem saída

Sabe quando você chega perto da estrada sem saída e não sabe que direção tomar? É assim que me sinto quando não posso fazer nada para ajudar alguém que amo. Vou indo, indo, indo. A rua chega ao fim e o problema continua.

Vejo-me numa colina com um grande abismo a frente conversando com a pessoa, que parece até que está me ouvindo, mas ela começa a se afastar de mim. Que desespero!

Fico de longe torcendo para estar aqui quando ela voltar.  Tomara!