A mudança e a ponte

No dia 30 de dezembro de 2018 saímos de Porto Velho rumo à São José. Não tínhamos casa, o plano era chegar, visitar imóveis previamente selecionados, escolher e então nos mudarmos. Tudo isso em uma semana. Os primeiros dias não foram fáceis, apesar da vista. Mas como sempre acontece, as coisas se ajeitaram.

Um ano após o início da mudança de cidade estávamos, Zé Carlos e eu, comemorando a volta da Ponte Hercílio Luz. Aquela beleza de estrutura pela qual somos apaixonados. Uma ponte que para nós, assim como para outras pessoas, é o carimbo mais querido no passaporte das férias.

Essa ponte representa um desejo que nasceu em janeiro de 2012 quando do nosso primeiro encontro nessa vida com Florianópolis. Quase oito anos depois, lá estávamos nós e umas 50 mil pessoas festejando a reinauguração do ícone.

A volta da ponte é uma significativa comemoração a esse primeiro ano de nossa corajosa resolução de termos saído do cômodo para o desconhecido.

Nós na Ponte Hercílio Luz

A ponte é do povo

População compareceu à reinauguração da ponte

Dia 30 de dezembro de 2019 entrou para a história de Florianópolis como o dia em que a Ponte Hercílio Luz voltou a ter vida após 28 anos de convulsões involuntárias. Descaso, corrupção, má vontade e outros males consumiram quase três décadas do maior ícone catarinense.

Ontem o esforço de alguns homens e mulheres somado ao incentivo e ao desejo de milhares de pessoas foi compensado pelo sentimento de pertencimento. A ponte é novamente do povo. Ela é dos catarinenses, dos brasileiros e de todo o mundo.  Pertence a todos que respeitam e honram a memória, a história.

Foram R$ 1 bilhão escoados de alguma forma sendo a ponte o motivo, mas não a destinatária. A culpa não é dela, não é da cidade. É de quem não respeitou o dinheiro público. Que os culpados pelos golpes ao erário sejam punidos e que nós, cidadãos, aprendamos a nos mobilizar de verdade, na vida real, para que casos absurdos como esse não tornem a acontecer.

A majestosa Ponte Hercílio Luz

Viva a ponte!