As multicores do Mercado Central

Em todas as nossas viagens – sejam no Brasil ou exterior – os mercados sempre estão no nosso roteiro. É neles que podemos conhecer um pouco melhor sobre a cidade que estamos visitando e os hábitos/costumes de seus habitantes. Em São José, onde moramos, não há um mercado público. O espaço de venda e consumo de itens regionais está localizado no Centro Histórico de Florianópolis. Sempre que vou ao Centro tento passar pelo mercado e a busca é sempre a mesma: pimenta de cheiro. Foi lá que encontrei uma vez e comprei a última bandeja com algumas pimentinhas. Leia mais

Somos nós no retrato

A poucos dias das eleições sobram dúvidas e faltam convicções de que o Brasil avançará rumo ao futuro que, há anos, ouço dizer que é dele.

As discussões em torno das candidaturas que se apresentam para governar o País nos próximos quatro anos saíram do círculo do respeito e educação  e entraram nas rodas de embates violentos e desrespeitosos. De todos os lados há desentendimento. Não importa a bandeira partidária, o diálogo inteligente e fraterno foi deixado de lado.

Se o eleitor opta por um candidato, é porque é a favor da volta da ditadura (Deus nos livre!), se opta por aquele outro é porque concorda com a corrupção (Xô!). Ninguém ouve ninguém. Cada qual na sua bolha lendo, ouvindo e assistindo somente o que exalta e torna viável o seu candidato.

Dou um passo para trás, saio da cena e vejo o caos. Respiro fundo e busco me concentrar numa resposta para o que me incomoda: o que devo fazer, como devo proceder diante de tudo o que está acontecendo no maior evento de democracia do meu país?

“Acalma-te. Todas as pessoas têm direito e liberdade para votar em quem quiser. Não entre em debate estéril. Colabora com o silêncio ou com a palavra apaziguadora. Independente do resultado das urnas ela representará exatamente a atual sociedade brasileira. Aceita e trabalha para dias melhores.” – foi o que eu ouvi da minha consciência.