Severino quer mudar

Tenho uma família relativamente grande, se considerar tios e primos com os quais não tenho ou nunca tive contato algum. Mas se contar apenas os próximos é bem pequena, mãe, irmãos e sobrinhos – e agora minha tia, que está bem próxima. Mudei-me para Santa Catarina e ela mora ali, na Ilha, e eu aqui, no Continente. Coisas da vida.

Nessa madrugada sonhei com o pai dela, meu avô, também pai do meu pai. É o único avô que conheci, seo José Severino Duarte. Como dizia papai, “sorte sua não ser ‘Severina'”, ele Alcides Severino da Silva. Severino, vô? Poderia ter batizado papai de Duarte. Já pensei nisso:  Marcela Ximenes Duarte e não ‘da Silva’. Mas, hoje, estou bem com o sobrenome do meu pai – tanto que o mantive ao casar e adotar o Sá do Zé Carlos.

No sonho vovô sorria, do jeito que eu o conheci quando estivemos todos em Campo Grande no início dos anos 80. Não era uma viagem de férias, estávamos lá para consultas médicas, mas era como se fosse, afinal, éramos crianças conhecendo a família do papai.

Meu avô era mineiro, meu pai também. Não sei a história, o porque de a família ter se mudado para Mato Grosso e depois Mato Grosso do Sul. Meu pai serviu ao Exército em Cuiabá. Depois foi para o Amazonas e por fim, Rondônia, onde continuou trabalhando nas Forças Armadas por um tempo até conhecer minha mãe, casarem, ele sofrer um acidente e ser dispensado.

Vovô e papai, no sonho, tratavam de mudança. Queriam ir para outra terra e eu não lembro qual. Pará, Rio Grande do Sul, Ceará? Não importa. Os dois homens planejavam viajar em breve. Desse sonho, ficou na minha lembrança nitidamente a voz do papai e o sorriso do vovô. Sem dúvida, um jeito alegre de começar o dia, a semana, o mês, de recomeçar. Obrigada pela visita, meus queridos.

Primeiros dias no Sul

As pessoas me perguntam: e aí, já se acostumou? Está sentindo muito a mudança? E nesses primeiros 30 dias a resposta tem sido a mesma: Estou tranquila, como se não houvesse saído do Norte para o Sul do país. Não sei se é porque não houve ainda tempo para pensar, ponderar sobre isso. Agora meu foco é organizar a casa nova e isso demanda dedicação e muita energia.

Nesses dias observei as diferenças em relação a produtos nas prateleiras dos supermercados e nas vitrines do açougue, por exemplo. A oferta de manteiga é insignificante, o que há em quantidade e variedade é marcas de margarina e nata. Parece que na Grande Florianópolis manteiga não faz sucesso e aqui em casa é o que consumimos. E no açougue? O patinho tem preço de picanha. Considere que sou rondoniense e em Porto Velho a oferta de carne bovina de qualidade é grande. Mas, como sempre digo, questão de adaptação. Por outro lado, tenho fácil frutas, legumes e hortaliças. Afinal, muita coisa sai do Sul para o Norte.

E isso é para colocar em balança? Na minha não. São coisas tão pequenas diante do que realmente importa para mim. Estou onde gostaria de estar, vivendo o que foi planejado – com uns atropelos aqui e outros acolá, como acontece na vida real – com quem eu amo. No mais, o futuro está bem aí e precisa ser construído sem barreiras de costumes e hábitos que só nos aprisionam.

Viagem de 120 horas com dois cachorros

Azula Dora Milaje, uma princesa com todas as raças <3
Argus Maximus, Dachshund ciumento e amoroso

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nossa maior preocupação para a viagem de mudança era o Argus Maximus e a Azula Dora Milaje, nossos cãezinhos. Como eles reagiriam a 5 dias dentro de um carro sem passar mal, enjoar e nos incomodar, claro, com choro e birras? Pesquisamos sobre viagem de carro com cachorro e a maioria das experiências era de curta duração, nada perto das 120 horas que encararíamos.

Consultamos o veterinário deles, dr Pedro, que nos tranquilizou, receitou o remedinho abençoado (Acepran), atualizou o cartão de vacinação, deu os atestados para viagem e orientou para que fizéssemos paradas a cada 3h, se possível, de acordo com o comportamento deles. Pronto.

Inicialmente, cheguei a cogitar vir apenas com o Argus e Azula seguir de avião com o João Pedro. Ela é tranquila e o Argus é meio aperreado e muito apegado a nós. Mas não tive coragem. Pensei na possibilidade de ela passar mal, se soltar, morrer. Conversei com Zé Carlos e João Pedro e eles concordaram em virmos todos juntos no carro, 3.450 quilômetros de estrada. Esse número eu repito sempre. Tente falar em voz alta e você sentirá a força dos 3.450 km rs.

Argus nunca gostou de passear de carro. Nunca mesmo. Tem 5 anos e não se acostuma. Sempre que vê a nossa movimentação em preparar o carro para um passeio, fica agitado, aparentemente ansioso e, geralmente, pula para o banco traseiro e fica lá com carinha feliz (pelo menos é o que parece). Mas é só sairmos da garagem de casa que começa a gritaria, uivos, choro. Um escândalo até o pet shop. Na volta sempre volta tranquilo. Não entendo esse comportamento antagônico.

Azula, que dia 22/2 completará 1 ano, sempre fica tranquila no carro. Nos primeiros passeios à clínica veterinária babava muito, dr Pedro explicou que ela enjoava. Com o passar do tempo isso acabou, mas ela continua uma miss em comportamento.

 

No terceiro dia de viagem estavam mais amigos

 

Demos a dose de Acepran recomendada pelo veterinário e tudo seguiu bem. Saímos num domingo chuvoso de Porto Velho e em poucos quilômetros eles estavam dormindo. No carro estavam com peitoral preso ao cinto de segurança. Nada de caixas ou caminha. Forramos o banco do carro com mantas para que se sentissem confortáveis e seguros. Argus foi ao lado do João Pedro porque sente ciúmes da Azula.

A primeira parada foi em 100 quilômetros, no município de Itapuã do Oeste, para o café da manhã. Essa experiência não foi nada legal, pois a chuva continuava, mas nada que atrapalhasse. Não quiseram beber água e nem comer, acho que estavam meio sem entender o que estava acontecendo. Segue o baile.

Nosso pernoite naquele domingo, 30/12, foi em Vilhena. Ficamos no Hotel Colorado. Nessa acomodação eles podiam andar pelos corredores, sem necessidade de serem carregados no colo. Tudo tranquilo. Levamos as caminhas dele, bebedouros e preparamos um banheiro com jornais. Sonho de anjinhos até às 5h30, quando levantávamos e íamos passear com eles. Para comermos, um de nós ficava com eles enquanto 2 comiam, ou ao contrário.

 

Primeira noite da viagem. Dormiram tranquilos em suas caminhas

 

Nossas paradas não foram de 2 ou 3 horas. Era inviável isso e vimos também que não era necessário. Inviável porque não tinha onde parar e quando havia um bom acostamento, estava chovendo. Mas sempre que parávamos, o João Pedro caminhava e corria com eles. Até levou para passear num pasto, onde a Azula quis encarar uma vaquinha rs.

Quanto ao remédio,  demos as gotinhas para a Azula nos 2 primeiros dias. Percebemos que não era necessário, pois ela ficava quieta, dormia a maior parte do tempo. O tempo máximo que o Argus ficou sem o remédio foi 2h. Como disse, ele não gosta de carro.

 

Importante passear com os dogs em paradas programadas

 

Todos os hotéis foram reservados. Pesquisei na Booking os que aceitavam pets. Como as hospedagens eram na estrada foi mais fácil.  Os hotéis foram em Vilhena, Hotel Colorado; Várzea Grande, Marion Pantanal Hotel; Londrina, London Hotel; Joinville, Alpinus Hotel. Nesses dois últimos, eles deviam ser carregados no colo, mas isso não é demérito para as acomodações. Ainda bem que elas estavam na nossa rota!

Em Florianópolis ficamos hospedados na Casa do Sossego, em Cacupé, e ó, nota 10! Os dogs puderam correr, brincar, rolar na grama sem medo de serem enxotados. Muito boa a hospedagem para cachorrinhos e humanos.

Se você pretende viajar com seus dogs, vá sem medo. Apenas se organize, você conhece seus bichinhos, sabem como podem reagir, então esteja preparado. Importante dar água sempre, mesmo quando eles rejeitarem, insista – precisei fazer isso com Azula, a mais resistente. Leve brinquedos, mantas, objetos que eles gostam para que se sintam seguros. Quando parar, passei com eles, faça carinho, converse rs peça paciência porque “está quase chegando”. Ah, importante forrar bem o banco do carro. Acho que daqui a 10 anos ainda encontrarão pelos dessa viagem dentro do Sandero. E quem liga, né? Tudo valeu a pena e é o que importa.

Deixe o banco bem confortável para que se sintam seguros e à vontade no espaço

Três mil 450 km de mudança

Fim da missão. Bagageiro pronto.

Saímos no domingo, dia 30/12, bem cedinho. No sábado, passamos o dia cuidando de colocar tudo no bageiro do carro. Para isso contamos com a família. Cada um foi fundamental para que tudo desse certo. Última noite em Porto Velho passamos na casa da Kárita, João Pedro dormiu na casa do Fábio, Azula e Argus ficaram na agora ex-casa.

Quando voltamos à 4634 para buscar os cães e dar aquela última conferida – se nada estava ficando para trás – passeei pelos cômodos da casa, acariciei suas paredes como havia feito há 10 anos quando tomamos posse de seu espaço. Fui ao jardim e me despedi das plantas que ficaram, agradeci a todas por ter convivido conosco todo esse tempo, aos passarinhos pela companhia diária. Pronto. Acabou ali a história com a casa da rua Bandeirantes.

Embarcados por cinco dias

Todos embarcados e parecia que estávamos indo ali num passeio. Muita expectativa no ar. Como será que reagiríamos ao deixarmos a Terra de Rondon dali a 700 quilômetros? Gratidão foi o que sentimos a passarmos na segunda-feira, após pernoite em Vilhena, na divisa Rondônia/Mato Grosso. Zé Carlos deu umas buzinadas e gritamos: Obrigada, Rondônia! Gratidão por esse estado maravilhoso onde nasci, cresci e vivi por 45 anos.

Nesses 5 dias de viagem, o terceiro pernoite foi em Campo Grande na casa de amigos queridos que acolheram a todos nós com carinho e a quem somos gratos. Maristela, Bibo, Flaviane, Fábio, Fabielli, Dinho, crianças, Roxy – muito obrigada!

Amigos Maristela e Bibo, que nos acolheram em Campo Grande

Passamos por Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Paraná até entrarmos em Santa Catarina. Nesses quase 3,5 mil quilômetros de estrada, de convivência praticamente ininterrupta – só não íamos juntos ao banheiro, a maioria dos dias foi leve e agradável. Houve momentos de tensão, cansaço e mau humor – os cães às vezes se agitavam, o trânsito parava, a chuva não dava trégua.

Tudo superado. Chegamos a Florianópolis, onde ficamos hospedados enquanto resolvíamos a compra da nova morada, numa manhã alegre para todos, principalmente para os cães que puderam correr e brincar como há dias não faziam. Para ficar anotado: chegamos dia 4 de janeiro, aniversário de 37 anos de instalação de Rondônia.

Uma nova etapa estava se concretizando.

Do Norte para o Sul

2018 chegando ao fim com grandes mudanças. Quase 3,5 mil quilômetros de mudança. Sair do Norte e ir para o Sul nunca foi minha intenção até conhecer Florianópolis em janeiro de 2012. A paixão surgiu assim, instantaneamente, o amor fixou morada em pouco tempo e o desejo de morar nesse lugar encantador foi se firmando com o passar dos anos.

Cinco anos depois, voltamos a Santa Catarina, desta vez por Curitiba. Eu intimamente pensava: “Meu Deus, e se eu sentir que é lá que quero estar, o que vou fazer com essa vontade?”. Quando chegamos à Floripa e o coração disparou tive certeza. A partir de janeiro de 2017 começaram os tijolinhos do pensamento se fixarem com o cimento da positividade. Planos foram feitos e desfeitos até a decisão tomada em junho deste ano quando voltamos à Floripa e conhecemos Angelina, Santo Amaro da Imperatriz, Rancho Queimado e Urubici.

Ao retornarmos para casa, pusemos mãos à obra porque um sonho não se concretiza só com brisa. Casa à venda, bazar no jardim, pensamento 100% na mudança até o começo de 2019 para SC.

Hoje, último domingo na casa que nos acolheu por 10 anos, penso no quanto é possível mudar na nossa vida. Enquanto há vida deve haver sonhos, planos, desejos. O aprendizado de 2018 é: sonhe o possível, acredite, trabalhe para que ele se realize. Mas dê prazo para tudo. Não adianta sonhar com algo para o resto da vida, gastar sua energia em um sonho impraticável. A meta é sua, estabeleça suas regras usando de bom senso. Haverá quem critique e te desestimule. Essas pessoas servem para aprumarmos o rumo dos planos. Ajustes feitos, siga em frente.

Nós seguiremos de Porto Velho a Florianópolis, três humanos e dois cães – uma família. Parece Sessão da Tarde, mas é a vida em movimento.

Josy ajudou muito na alimentação do ‘já deu certo’

Como nasceu a jornalista

Desde criança tenho grande admiração pelos professores, por essa profissão que transforma vidas, que traz luz à ignorância. Minhas irmãs e eu montávamos o cenário de escolinha: papéis, lápis, canetas coloridas e tocos de giz. Lembro-me do dia que nossa mãe puxou uma lona preta no corredor entre o muro e a casa e fez uma sede para nossa escola. Ali foi fermentada a minha vontade por “ensinar”.  Eu sempre gostei muito de ler. Ficava ansiosa todo início de ano para receber os livros didáticos. Era um ritual: colocava um ao lado do outro em cima da cama e, claro, começava pelo livro de Português.

Abria-o, encostava o nariz em suas páginas e sentia o cheirinho de tinta nova como se fosse o perfume secreto de alguma floresta mágica. Virava as páginas e passava a mão, como se o toque fosse antecipar todo o conhecimento que estava ali para ser descoberto durante o semestre. Depois de folhear todo o livro, começa a ler as crônica, poemas, tirinhas – o que tivesse de “historinha”. Ah, preciso dizer que o livro de matemática não ganhava essa atenção, era apenas folheado muito por cima.

Ainda criança gostava de ler também reportagens, histórias reais contadas como se fosse uma vizinha, cheia de detalhes. Revistas sempre me atraíram. Não demorou muito para eu começar a escrever as minhas histórias. Escrevia no caderno procurando imitar a forma da narrativa do repórter. E assim foi crescendo minha vontade por trabalhar em uma revista e contar histórias de pessoas. Aproximar leitores de personagens. Eu já sabia o que queria, muito mais do que ser professora, queria ser jornalista – quem sabe uma escritora? – não, não. Aí já era demais, pensava.

E o tempo voou, tornei-me adulta e logo que pude virei assinante de Círculo de Livro e de revistas semanais. Assistia a todos os telejornais possíveis. Apaixonada por reportagens, colecionava histórias.

Sem acreditar que um dia poderia tornar-me jornalista, nunca me preparei para realizar este desejo. (E fica para eu contar depois essa parte da minha vida).

Um dia assistindo ao telejornal local do SBT, no intervalo um chamado: “se você tem boa redação, gosta de escrever, venha fazer parte da equipe de redatores da TV Allamanda”.  Claro que o anúncio não era exatamente assim, mas a finalidade era a mesma: contratar redatores. Senti um frio na espinha. E minhas irmãs começaram: “Marcela, você não quer ser jornalista? Vai lá, irmã!” E eu fui! Morrendo de medo, de vergonha, mas fui.

Flagrada não sei por quem sentada na mesa da chefa na TV Allamanda

Fiz o teste de vídeo. Péssima. Minha vontade era escrever, não queria estar a frente de câmeras, e sim por trás delas. Na prova de redação eu me soltei, montei uma matéria a partir de uma notícia que tinha lido em uma das revistas que assinava. Como eu imaginava, não fui chamada para trabalhar.

E a vida seguiu por três meses até o dia que recebi uma ligação da pessoa que seria minha primeira e mais importante professora de jornalismo e entraria para a lista de amigas-irmãs queridas. Fui para a entrevista com a jornalista Nara Vargas. Ela me mostrou minha redação, a melhor entre todas da seleção de meses antes. Soube que não fiquei com a vaga porque fui muito mal no teste de vídeo (Oh, quem diria?!), mas estavam precisando de alguém que soubesse escrever bem para fazer o jornal mais importante da emissora.

Meses depois já não era mais redatora, era apresentadora de um programa de notícias populares. Ao vivo! Imagina? Eu ao vivo. Seguiram-se então a bancada do telejornal da TV Meridional, a Band local, e depois, finalmente, consegui o que me interessava: a rua! Fui para a reportagem escrever e contar histórias. Não era revista impressa, mas bem melhor do que ser “âncora”. Para mim, claro. Sei de gente que daria muita coisa para estar numa bancada.

Quatro anos de TV, de escola, de preparo, me levaram para o impresso. Repórter, editora, editora-executiva, editora-chefe, coordenadora de conteúdo… professora de jornalismo!

Noite que me tornei jornalista profissional oficial

Volta lá para meu primeiro sonho profissional de infância. Quando concluí o curso de jornalismo – sim, muito tempo depois de prática, fiz o curso, pois não havia em Porto Velho -, fui convidada para dar aulas. E eu fui fazer o que acredito que seja a principal função de um professor: compartilhar conhecimento, colaborar com o crescimento do outro, formar. Gostei demais da experiência. Acredito ter colaborado com os alunos, hoje colegas de profissão.

Essa linha do tempo sobre minha vida profissional me fez refletir sobre eu nunca ter me preparado, pelo menos conscientemente, para nada disso. Deixei a escola muito cedo (depois eu conto), não pensei que conseguiria cursar uma faculdade (cursei duas), nunca ambicionei nada além de trabalhar “direitinho” e fazer o melhor, independente do local onde estivesse empregada.

Hoje continuo apaixonada pela minha profissão, mas – muito diferente do que pensava – estou aberta a mudanças. Minha crença em fazer o melhor é inabalável e serei  feliz onde quer que eu possa trabalhar.

Infância compartilhada

Se tem alguma criança que não sonhe em ter uma bicicleta, eu desconheço. Quando pequena era tudo o que eu queria, mesmo morrendo de medo de cair. Eu fui uma criança muito medrosa. Tinha medo de absolutamente tudo. Mas sonhava em ter uma bicicleta para andar na rua, no nosso pedaço da rua José Bonifácio.

Quando minha amiga (e vizinha) ganhou uma Monark eu fiquei tão feliz! Primeiro porque ela queria muito, segundo porque ela deixaria eu andar o quanto quisesse e terceiro porque em pouco tempo não serviria mais para ela e seria minha.

E assim foi, a minha amiga tinhas pernas muito compridas e no ano seguinte a bicicleta não servia mais e a ganhei como presente de aniversário. Somos de fevereiro, ela do comecinho e eu do dia 12. Isso me fez lembrar do bolo de frutas que a mãe dela encomendou para o aniversário e que ganhei a metade. Lembro até hoje do sabor, nunca mais comi nada parecido. O ingrediente inesquecível é a amizade infantil.

Há muitos anos não há vejo, mantemos contato graças à internet. A marca daquela amizade ficou como um passeio de bicicleta num dia de chuva.

Além do salão de beleza

Assisti ao ‘Felicidade por um fio’, da Netflix, após indicação da querida Êrica no Blog Ré Menor. Meu objetivo era apenas distração, queria algo leve e só. Mas nos primeiros minutos do filme eu percebi que não seria apenas diversão.

A protagonista – uma publicitária bem sucedida – desde criança tinha como objetivo ser perfeita em tudo. Desde a aparência física até o comportamento na fila do pão. A mãe dela a fez pensar que ser assim a livraria de sofrimentos e a levaria ao sucesso, que nesse caso se traduz em um “bom casamento”. Para garantir isso, a moça estava sempre impecável, inclusive antes de se levantar pela manhã. A principal obsessão dela era o cabelo que, crespo, mantinha sempre lisinho.

Deixar o cabelo extremamente liso roubava horas do dia dela, dias da vida. E ela achava que tinha que ser assim porque a mãe disse que ao contrário não está certo.

Pensei no quanto o que me foi dito na infância e na adolescência me bloqueou. “Seus lábios são enormes. Não use batom”. “E esse nariz? Faça ‘simpatia’ para diminuir”. “Coxas grossas não podem usar short” e uma equivalente: “Quem tem bunda grande não combina saia”. Difícil né? Acho que seria mais fácil ficar dentro da toca e não sair nunca mais.

Sempre gostei de mudar o cabelo, nem sempre pude. Meu pai, nos primeiros anos de pai de meninas – éramos cinco, entendia que devíamos ter cabelos longos. Certo dia, aos 11 anos, arrisquei e passei a tesoura. Queria ficar parecida com a Fernanda Abreu, da Blitz. Não deu certo, o cabelo ficou bem diferente do que eu queria e ganhei um castigo pela ousadia.

Meu primeiro emprego foi aos 16 anos. Fui vestida como adulta, com roupas da minha mãe. Por que como usar jeans e camiseta no escritório? Parece que tinha uma proibição. Pálida sempre fui. Passei um batom “cor de boca” e o resultado foi que continuei pálida. Mas como usar um rosinha que fosse, com essa bocarra? Poderia até perder o emprego.

No filme, uma criança dá o start para a publicitária sair da bolha que a aprisionava. Na minha vida real, foi uma tia três anos mais velha que eu. Do seu jeito ela disse que sim, eu podia usar batom da cor que eu quisesse, que não, minha boca não era feia – e melhor: que muitas mulheres gostariam de ter lábios como os meus. Eu, que usava bandana, tênis trocados e jamais batom, levei um tempo para me sentir confortável com os lábios pintados de rosa.

Muitas mulheres, e homens também, não têm quem os incentive a ser quem querem ser. Que os diga para não temer, para que acreditem em si, em sua liberdade. Em várias etapas da minha vida pessoal e profissional eu tive pessoas que me ajudaram a desatar os nós emaranhados da insegurança e baixa autoestima. Sou muitíssimo grata a todas elas. E todos os dias eu procuro não destruir os sonhos de ninguém, não diminuir seus planos, não relativizar seus problemas e suas dores. Nem sempre consigo, é verdade. Mas tenho tentado, pois sei o quanto pode significar a opinião e o apoio de alguém na jornada da vida. Sejamos pontes e não abismos.

Somos nós no retrato

A poucos dias das eleições sobram dúvidas e faltam convicções de que o Brasil avançará rumo ao futuro que, há anos, ouço dizer que é dele.

As discussões em torno das candidaturas que se apresentam para governar o País nos próximos quatro anos saíram do círculo do respeito e educação  e entraram nas rodas de embates violentos e desrespeitosos. De todos os lados há desentendimento. Não importa a bandeira partidária, o diálogo inteligente e fraterno foi deixado de lado.

Se o eleitor opta por um candidato, é porque é a favor da volta da ditadura (Deus nos livre!), se opta por aquele outro é porque concorda com a corrupção (Xô!). Ninguém ouve ninguém. Cada qual na sua bolha lendo, ouvindo e assistindo somente o que exalta e torna viável o seu candidato.

Dou um passo para trás, saio da cena e vejo o caos. Respiro fundo e busco me concentrar numa resposta para o que me incomoda: o que devo fazer, como devo proceder diante de tudo o que está acontecendo no maior evento de democracia do meu país?

“Acalma-te. Todas as pessoas têm direito e liberdade para votar em quem quiser. Não entre em debate estéril. Colabora com o silêncio ou com a palavra apaziguadora. Independente do resultado das urnas ela representará exatamente a atual sociedade brasileira. Aceita e trabalha para dias melhores.” – foi o que eu ouvi da minha consciência.

Amores de outubro

Porto Velho, onde nasci e vivo desde sempre, completa nesse 2 de outubro 104 anos de criação. Há 11 anos eu produzi e escrevi um especial para o jornal Diário da Amazônia sobre essa efeméride. Na época era repórter e pedi ao meu editor que me autorizasse a fazer o suplemento comemorativo. A pauta: queria falar sobre o que é ser porto-velhense, fazer com que o leitor se identificasse. Não contar apenas a história da cidade, mas das pessoas – os hábitos, as tradições, o seu jeito de falar.

Dias após a publicação, ao chegar à redação e abrir o ‘MSN’ (sim, isso foi há mais de 10 anos!) uma mensagem de um amigo:” Você está com tudo hein? “. Não entendi, e precisei esperar muito tempo para que ele respondesse o meu “Por quê? O que houve?” Horas depois recebi o link da coluna Banzeiros. Era a resposta. O colunista político José Carlos Sá havia comentado o “meu” caderninho sobre Porto Velho (!!!). Eu fiquei eufórica, como se tivesse sido citada na revista Imprensa.

Acompanhava a coluna do JCSá, gostava do que ele escrevia, de suas observações, seu humor e ironia. Mas não o conhecia e ele estava elogiando meu trabalho. Enviei um e-mail em agradecimento à gentileza. Ele respondeu dizendo que acompanhava o meu trabalho há algum tempo. Mais e-mails.

Quase um mês depois nos encontramos pessoalmente. Seis meses depois ficamos noivos.  Mês passado fizemos 10 anos de casados.

Tudo começou porque escrevi sobre Porto Velho. Escrevi com minha alma porto-velhense, com meu sotaque cantado, com meu vocabulário meio nordestino com sabor de açaí.

O de 2 outubro desde aquele 2007 passou a ter mais significado para mim. A cidade que eu nasci se juntou à minha paixão por escrever e trouxeram para mim o amor da minha vida.

Nosso passeio por Porto Velho, no dia dos 104 anos de criação