Tapioca com angu

Foi preciso eu sair de férias para quebrar um jejum forçado de quase dois anos. Na pousada em que ficamos em Milho Verde (MG), comi uma tapioca de verdade que me remeteu à qualidade das tapiocas de Porto Velho. Goma fresca, sem conservante, sem cheiro e gosto esquisitos. Comi como se fosse a minha última refeição nessa existência. Até disse para Deus – para logo me arrepender – que poderia morrer ali, depois de ter comido aquela delícia. Ainda bem que Ele não me deu ouvidos e então pude devorar mais pastéis de angu na saída da noite. Leia mais

Com sabor e afeto

Quando eu estava no jardim de infância, levava na lancheira pão com manteiga e nescau. Às vezes quando sinto um aroma parecido o tempo para e eu volto àqueles dias. Eu não lembro nada de quando tinha quatro anos de idade e estudava no Branca de Neve. Minha única recordação é do cheiro de manteiga misturado com o doce do achocolatado. Leia mais

Saudade temperada

Se você ainda utiliza o Facebook, vai concordar comigo: o álbum de lembranças é o que há de melhor naquela desgastada rede.

Ontem, essa foto de um domingo em 2018, me revirou a memória. Zé Carlos e eu sorríamos após um maravilhoso café na Bachan – à época o melhor café regional de Porto Velho (ainda é?). Leia mais