Para quê relacionar males?

Vi há alguns dias vários tweets em que a pessoa cita o nome, a idade e lista os problemas de saúde. Não sei o que motivou a corrente de patologias pessoais.

Alguns tweets me deram a sensação de que o paciente tem até gosto em falar que tem uma doença pouco conhecida – pelo nome. Utilizam a nomenclatura médica para problemas comuns (que são ruins, mas comuns), como a bendita cólica menstrual e seus acessórios.

Essas publicações me fizeram lembrar como eram as conversas entre uma vizinha e a minha mãe. Dona Helena sempre tinha um rosário de lamentações após o convencional “tudo bem?”. E então começava a disputa de quem estava com o problema mais grave e de nome mais difícil. Já repararam que elas (as pessoas adoecidas) falam fluentemente o doentês?

As doenças estão aí, são bem democráticas. Eu tenho algumas mas não são de estimação.  Meses atrás fui à minha primeira consulta médica em São José. Ao final da conversa, precisei voltar e sentar novamente para contar ao médico um problema relativamente sério (e comum) que eu tenho – e não é o esquecimento.

Foi um problema de saúde que me fez reavaliar hábitos e atitudes. Não quero focar meus pensamentos em dores e suspeitas. Sou grata pelo despertar trazido por aqueles dias difíceis. E para por aí. Não vou ficar relacionando males, se posso contabilizar o que tem de bom na vida.

2 respostas para “Para quê relacionar males?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *