Mais que trilhas

Na quinta-feira (30) encarei uma trilha íngreme, uma hora e meia subindo rumo ao pico da Pedra Branca, um monumento natural da Grande Florianópolis, localizado em São José no limite com Palhoça. Não fui a passeio, mas a trabalho.

Sugeri ao editor uma pauta sobre o Morro da Pedra Branca que é visto de vários pontos da região. A sugestão foi minha, então eu que lutasse para fazer a reportagem. E assim foi.

O sol estava entre nuvens e isso amenizou o calor na trilha, que ocorreu sem problemas. A vista lá do alto é espetacular e todo o esforço foi recompensado.

Subindo rumo à Pedra Branca

No sábado seguinte (1), fui para outra trilha. Dessa vez a passeio, sem compromisso com conteúdo. Os parceiros não eram mais o colega fotógrafo e o guia personagem. A Trilha do Gravatá, no Sul da Ilha de Santa Catarina, era novidade para mim, o Zé Carlos e a Josy.

Pensa num lugar fantástico, não a trilha, o final dela. Lindo, lindo, lindo.

Chegar à Praia do Gravatá, tomar banho no mar azul de águas frescas valeu cada pisada durante um pouco mais de uma hora.

Josy encarando a Trilha do Gravatá

Quis as circunstâncias que a lembrança dessa primeira ida ao Gravatá fosse além da paisagem. Anotamos no livro aberto para 2020 o dia em que o Zé Carlos passou mal e foi resgatado pelo helicóptero da Polícia Militar.

Foi como um filme: Uma trilha no meio do mato dentro de uma metrópole, com uma praia paradisíaca, um salvamento de helicóptero com atendimento digno de todos os elogios.

Agora quando eu passar perto do Gravatá vou me lembrar do Águia chegando para salvar o Zé Carlos, assim como desde o dia 30 penso “já estive ali em cima” quando meus olhos alcançam o Morro da Pedra Branca.

A primeira vista da Praia do Gravatá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *