Condutor da mudança

Zé Carlos ao volante da vida

Dias atrás, após ouvir um homem comentar que as coisas não eram fáceis para ele porque já havia passado dos 60 anos de idade, parei para pensar e me dei conta que em nenhum momento, até ali, eu havia perguntado ao Zé Carlos se a mudança de Rondônia para Santa Catarina não o intimidava. Afinal, ele estava próximo dos 63. Não vejo problema algum em estar envelhecendo, ao contrário!  Sessenta anos são o novo 40tinha com alguns bônus.

Três décadas atrás ele saiu de Belo Horizonte para Porto Velho porque foi contratado para um freelance de 15 dias e acabou ficando (ainda bem!) todo esse tempo.  Em dezembro passado iniciou nova fase. Tudo novo, desafiador. O frio na barriga e o medo de algo sair fora do planejado, claro, existem. E isso é muito positivo. A sensação gostosa de viver nos move adiante . E o receio nos direciona a ficarmos atentos à luz amarela. Se você passou dos 40 e prestou atenção, aprendeu que cautela não faz mal.

Um sexagenário (eita!) pegar sua família, colocar no carro, atravessar o país e chegar onde gostaria de estar é ou não inspirador? Ver alguém se movendo para fora da sua quentinha, fofinha e perfumada área de conforto é transformador ou, no mínimo, pode fazer você refletir se os tênis são confortáveis ou se se ajustaram aos seus calos. Ou você talvez ainda esteja descalço.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *